A importância dos DPS – Dispositivos de proteção contra surtos

Imagem de Agenor Zapparoli

O problema de não se implantar o sistema de proteção contra surtos, que se trata o item 5.4.2.1.2 da NBR 5410, devido ao princípio do menor esforço ou mínima ação, é que se um surto for originado na rede da prestadora, passará pelo disjuntor e poderá danificar equipamentos no interior da UC (residência). Para melhor entendimento vide imagem XXX abaixo. Nessa imagem à esquerda existe um disjuntor geral, que recebe a energia da prestadora (1) e encaminha para o interior dos apartamentos (3). Se não ali estivessem os DPSs, que são os três dispositivos à direita do disjuntor geral, o surto originado na rede da prestadora (1) passaria direto para a residência (3), imputando dano a equipamentos eletroeletrônicos internos. Como existem três DPSs no meio do caminho, pelo princípio da mínima ação, se um surto originar na rede da prestadora (1) desviará pelos DPSs, pois é o caminho de menor resistência com destino à terra possível, portanto será dissipado no solo (2), protegendo assim os equipamentos da residência (3). Como é possível perceber o DPS tem a função de proteger tanto a UC contra surtos oriundos da rede da prestadora (1), quanto proteger a rede da prestadora (1) contra surtos que tenham se originado na residência (3).

Imagem 01 – Disposição de um DPS em uma Unidade Consumidora (UC)

A exigência da obrigação do DPS na norma NBR5410 está presente em vários itens, porém mais especificamente no 5.4.2.1.2.

5.4.2.1.2 A proteção contra sobretensões requerida em 5.4.2.1.1 deve ser provida:

a) por dispositivos de proteção contra surtos (DPSs), conforme 6.3.5.2; ou

b) por outros meios que garantam uma atenuação das sobretensões no mínimo equivalente àquela obtida conforme a alínea a).

(ABNT NBR 5410/2004 revisão 2008)